O Papel Vital dos Conselheiros das Comunidades

nas Associações Portuguesas em Lyon

Vivo nos arredores de Lyon (69), França, uma cidade conhecida pela sua rica tapeçaria cultural, é um lar acolhedor para a diáspora portuguesa. No coração desta comunidade vibrante, encontram-se as associações portuguesas, que desempenham um papel crucial na preservação da identidade cultural e no apoio mútuo entre os seus membros.
As associações portuguesas em Lyon, falo da minha realidade, surgiram da necessidade de criar espaços onde os imigrantes pudessem se reunir, partilhar experiências e manter vivas as tradições da sua terra natal. Desde festivais culturais a programas educativos, estas associações tornaram-se o epicentro da vida comunitária portuguesa na cidade.
Estas associações desempenham um papel crucial na vida da comunidade em Lyon. Como conselheira das comunidades, tenho observado de perto o impacto positivo que estas organizações têm na integração, na promoção cultural e no fortalecimento dos laços entre os portugueses que vivem nesta região.
Elas promovem festivais, exposições de arte, concertos e outras manifestações culturais que celebram a língua, a música, a dança e a gastronomia portuguesas. Esses eventos não apenas nos conectam com as nossas raízes, mas também sensibilizam a comunidade local sobre a diversidade cultural que trazemos.
Anualmente, os eventos, como os Festivais de Folclore Português de Lyon atraem não só membros da comunidade portuguesa, mas também franceses e outros interessados na cultura lusitana. Estas ocasiões são oportunidades para celebrar a música, a dança e a gastronomia portuguesas, fortalecendo os laços com Portugal.
Além das celebrações culturais, as associações oferecem uma rede de apoio vital. Elas auxiliam novos imigrantes na integração, fornecendo informações sobre emprego, educação e serviços legais. Este suporte é fundamental para a adaptação e o bem-estar dos portugueses em Lyon.
As associações portuguesas em Lyon são mais que meros pontos de encontro, são instituições que perpetuam a herança portuguesa e promovem a solidariedade e a inclusão na sociedade francesa. Elas são fundamentais para a manutenção da língua portuguesa entre as gerações mais jovens, oferecendo aulas de idioma e incentivando a participação em atividades culturais.
Fazer parte de uma associação, fortalece a nossa Identidade, é uma forma de manter viva a nossa cidadania portuguesa. Elas lembram-nos de quem somos, de onde viemos e do valor da nossa cultura. Além disso, as associações incentivam o orgulho e a autoestima entre os membros, criando uma sensação de pertencente e comunidade.
Hoje estas associações enfrentam o desafio de se adaptarem às novas gerações de portugueses que crescem em Lyon, muitos dos quais se identificam tanto com a cultura francesa quanto com a portuguesa. Há uma oportunidade única de criar programas que celebrem essa dualidade cultural, promovendo a integração sem perder as raízes portuguesas.
Olhando para o futuro, as associações portuguesas em Lyon têm o potencial de se tornarem ainda mais influentes na vida cívica da cidade. Por via de parcerias com organizações locais e iniciativas de empreendedorismo social, elas podem ampliar o seu alcance e impacto.
Estes pilares da comunidade continuam, preservando a cultura portuguesa e enriquecendo a diversidade cultural da cidade. Elas demonstram o poder da comunidade em se unir, apoiar os seus membros e celebrar a sua identidade única num ambiente multicultural.
A interferência e a importância de nós conselheiros nas associações, especialmente nas comunidades portuguesas, são fundamentais para o bom funcionamento e representatividade destas entidades.
Nós conselheiros temos um papel ativo na gestão e na tomada de decisões estratégicas, contribuindo para o desenvolvimento e a sustentabilidade das associações.
Como conselheira, continuarei a trabalhar em estreita colaboração com essas organizações para promover o bem-estar e o sucesso de todos os portugueses que chamam Lyon de lar.
O impacto no associativismo é significativo. Os conselheiros mantêm um vínculo cultural forte com Portugal e facilitam a integração das comunidades no país de acolhimento. As associações continuam a ser espaços essenciais de encontro, apoio e celebração da identidade portuguesa no exterior.
Como conselheira, a minha atuação é fundamental para garantir a relevância e sustentabilidade das associações. Juntos, podemos fortalecer nossa comunidade e preservar nossa identidade.
Como conselheira das comunidades, compreendo plenamente a importância do nosso papel nas associações portuguesas. Nosso compromisso é fundamental para manter essas associações como pilares de apoio e preservação cultural para os portugueses em Lyon e em outras partes do mundo.

Os desafios que enfrentamos são reais, mas também trazem oportunidades para inovação e crescimento.
Vou abordar cada um dos desafios mencionados:

Envelhecimento dos Quadros Dirigentes e dos Associados:
A transmissão de conhecimento é crucial. Devemos incentivar a colaboração intergeracional, permitindo que os mais experientes compartilhem saberes com os mais jovens.
Investir em programas de formação e mentorias pode ajudar a preparar a próxima geração de líderes.

Participação dos Lusodescendentes:
Precisamos envolver os lusodescendentes de maneira significativa. Isso pode incluir eventos específicos para essa faixa etária, como workshops, festivais culturais ou grupos de discussão.
A promoção da identidade portuguesa deve ser atrativa e relevante para eles.

Diversificação de Atividades:
Além das tradições culturais, devemos explorar novas dimensões. Cinema, literatura, moda e outras expressões contemporâneas podem atrair as jovens gerações.
Parcerias com outras comunidades e instituições também podem enriquecer nossas atividades.

Novo Modelo de Atuação e Organização:
A ideia de uma “casa comum” é inspiradora. Um espaço físico compartilhado pode fortalecer nossa coesão e identidade.
Devemos considerar estruturas flexíveis e descentralizadas para atender às necessidades variadas das comunidades.

Os desafios são significativos, mas também representam oportunidades para os conselheiros revitalizarem o movimento associativo, garantindo a sua relevância e sustentabilidade no futuro. É essencial que os conselheiros sejam proativos na busca de soluções inovadoras que respondam às necessidades atuais e futuras das comunidades portuguesas no exterior.
Lembremos que, como conselheiros, somos agentes de mudança. Juntos, podemos garantir que as associações portuguesas continuem a prosperar e a servir nossa comunidade no exterior. Como conselheira das comunidades, é inspirador ver como as associações portuguesas estão se adaptando e enfrentando os desafios atuais com criatividade e inovação.
A transformação digital é uma aliada poderosa nesse processo. Menciono algumas formas pelas quais as associações estão utilizando a tecnologia para fortalecer o movimento associativo:

Comunicação Eficiente e Participação Ativa:
As associações estão aprimorando suas estratégias de comunicação por meio de plataformas digitais e redes sociais. Isso facilita a participação dos membros e permite a divulgação de informações relevantes de forma ágil e eficaz.
A comunicação digital também possibilita a interação entre diferentes comunidades, promovendo a troca de experiências e ideias.

Captação de Recursos:
Plataformas de crowdfunding e doações online permitem que as associações arrecadem fundos para projetos específicos ou para manter suas atividades.
Os conselheiros podem explorar essas ferramentas para garantir a sustentabilidade financeira das associações.

Redes Internacionais e Colaboração:
A tecnologia facilita a conexão entre associações em diferentes países. Compartilhar boas práticas, experiências e recursos é fundamental para o sucesso do movimento associativo.
Associações portuguesas podem se beneficiar ao colaborar com outras comunidades e aprender com suas abordagens inovadoras.

Em resumo, a tecnologia oferece oportunidades valiosas para as associações enfrentarem os desafios atuais e construírem um futuro sustentável. Como conselheira, encorajo a exploração contínua dessas soluções inovadoras para fortalecer o movimento associativo e servir melhor às comunidades portuguesas no exterior.

“O Voluntariado dos Conselheiros das Comunidades Portuguesas: Uma Dedicação Sem Limites”

Como Conselheira das Comunidades Portuguesas, sinto-me honrada por servir a nossa diáspora e representar os interesses dos nossos cidadãos no estrangeiro. No entanto, é importante esclarecer que o nosso trabalho é voluntário e não remunerado. Somos movidos pelo amor à nossa pátria e pelo desejo de contribuir para o bem-estar da comunidade lusófona.

O Desafio das Deslocações:
Muitos de nós enfrentam limitações quando se trata de deslocar-se para além da nossa área de residência.
As deslocações para reuniões, eventos oficiais e atividades representativas podem ser dispendiosas em termos de tempo e recursos pessoais.
No entanto, estamos comprometidos em superar esses obstáculos para cumprir o nosso dever.

Ajudas de Custo e Reembolsos:
Quando participamos em atividades de caráter profissional, como reuniões oficiais, temos direito a solicitar ajudas de custo. Essas ajudas cobrem despesas como transporte, alojamento e alimentação.
O reembolso ocorre mediante comprovação das despesas realizadas.

O Nosso Compromisso:
Apesar das limitações, continuamos a trabalhar incansavelmente para fortalecer os laços entre os portugueses no estrangeiro e a nossa terra-mãe.
A nossa dedicação é um testemunho do nosso amor por Portugal e da nossa responsabilidade como representantes da nossa comunidade.
Como conselheira das comunidades, é um privilégio desempenhar um papel vital, mesmo sem remuneração direta. Reconheço o compromisso incansável de todos os voluntários em prol da comunidade lusófona no mundo.
Nosso estatuto estabelece deveres importantes para os conselheiros das comunidades portuguesas:

Participação Ativa nas Reuniões do Conselho: Comparecer e contribuir ativamente nas reuniões é fundamental para o bom funcionamento do conselho.
Colaboração com Instituições dos Países de Acolhimento: Cooperar com entidades locais em assuntos de interesse das comunidades é essencial para fortalecer os laços culturais.
Além disso, os conselheiros têm direitos que permitem uma atuação eficaz:
Intervenção em Debates e Apresentação de Propostas: Participar ativamente nas discussões e apresentar propostas é uma responsabilidade valiosa.
Acesso a Informações e Esclarecimentos: Solicitar esclarecimentos e informações aos postos consulares e outros serviços do Estado Português é um direito importante.

Ser um Conselheiro das Comunidades Portuguesas é mais do que um título honorífico; é um compromisso de coração e alma. Agradeço a todos os meus colegas conselheiros pelo seu trabalho incansável e pela sua paixão em servir a nossa comunidade.
Juntos, continuaremos a construir pontes e a celebrar a nossa cultura, língua e história.

1 Comentário

  • Da Silva christine
    1 semana ago Publicar uma Resposta

    Parabéns pará nossa conselheira Emilia Campos 👏👏👏👏

Deixe um Comentário

Your email address will not be published.

Start typing and press Enter to search